Presidente da SOCICOM enfatiza a classificação da Comunicação como Grande Área de Conhecimento

O presidente da Federação Nacional das Associações Científicas e Acadêmicas de Comunicação, SOCICOM, professor Dr. José Marques de Melo divulgou, nesta semana, nota em que assinala a necessidade da reclassificação das área do conhecimento e elevar a Comunicação como Grande Área. A atual Tabela do CNPq das área do conhecimento atribui a comunicação como Área na Grande Área Ciências Sociais Aplicadas. O jornalismo aparece como subárea.

A SOCICOM realizou, no último dia 16 de março, o Seminário de Integração Institucional em que os participantes salientaram a necessidade de promover a Comunicação para Grande Área. Segundo o texto do professor Dr. José Marques de Melo, “existem hoje no país quase duas dezenas de sociedades científicas que agrupam pesquisadores e professores na área de comunicação”. Destacou ainda que “a criação da  nossa federação nacional pode desempenhar papel estratégico no diálogo com os gestores de C&T. Pode também ajudar a identificar as demandas de interesse comum, nelas concentrando atenção para convencer  os consultores científicos a dar-lhes prioridade”. De outro lado, Marque de Melo enfatizou que “ano a ano, a pesquisa em comunicação cresce nas universidades brasileiras, mas as cotas de bolsas para iniciação científica, mestrado e doutorado permanecem estáveis, quase não abrindo oportunidades para a nova geração de pesquisadores. Da mesma forma, as verbas para pesquisa de campo ou de laboratório continuam a flutuar,  nos mesmos patamares, por falta de projetos temáticos relevantes”.

Atualmente fazem parte da SOCICOM a COMPÓS, FNPJ, ULEPICC, SOCINE, SBPJor, ABRAPCORP, FOLKCOM, Rede ALCAR, ABCiber, ABJC e FORCINE.

Confira a íntegra da mensagem do professor Dr. José Marques de Melo:

A comunicação como grande área do conhecimento
José Marques de Melo
Professor Emérito da Universidade de São Paulo e presidente da
Federação Brasileira das Sociedades Científicas e Associações Acadêmicas de Comunicação – SOCICOM

A realização do “Seminário de Integração Institucional”, promovido pela SOCICOM no dia 16 de março de 2009, no auditório da Reitoria da UNESP, em São Paulo,  sinalizou o fortalecimento do campo das ciências da comunicação no Brasil. Trata-se, aliás, da meta principal da federação nacional,  cuja fundação foi decidida na cidade de Santos (SP) em 2007 e ratificada em Natal (RN) em 2008, com a finalidade de reunir o conjunto das sociedades científicas e associações acadêmicas Do Brasil.

Existem hoje no país quase duas dezenas de sociedades científicas que agrupam pesquisadores e professores na área de comunicação. Doze entidades aderiram à criação da SOCICOM e outras começam a se incorporar, numa demonstração de que  a nossa comunidade acadêmica começa a dar passo decisivo para superar a fragmentação que a vem debilitando politicamente.

Até agora, na luta silenciosa pelas fatias do orçamento estatal destinado a ciência e tecnologia, cada entidade vem defendendo seus próprios interesses. Entretanto, as lideranças dessas associações, ao contentarem-se com a alocação de migalhas, deixam de perceber que a divisão da nossa área só favorece as áreas hegemônicas. Bem estruturadas e muito articuladas, elas tem sido  capazes de apresentar projetos holísticos, com argumentos relevantes que influem na decisão das agências de fomento.

Ano a ano, a pesquisa em comunicação cresce nas universidades brasileiras. Mas as cotas de bolsas para iniciação científica, mestrado e doutorado permanecem estáveis, quase não abrindo oportunidades para a nova geração de pesquisadores. Da mesma forma, as verbas para pesquisa de campo ou de laboratório continuam a flutuar,  nos mesmos patamares, por falta de projetos temáticos relevantes.

A criação da  nossa federação nacional pode desempenhar papel estratégico no diálogo com os gestores de C&T. Pode também ajudar a identificar as demandas de interesse comum, nelas concentrando atenção para convencer  os consultores científicos a dar-lhes prioridade.

O seminário de integração institucional, reunido na cidade de São Paulo, com a participação dos dirigentes das associações fundadoras e de outras em processo de filiação, avançou na elaboração de uma agenda consensual, que será posteriormente levada à consideração dos organismos financiadores e das autoridades federais.

Contudo, a meta mais ousada da SOCICOM está sendo alavancada, no próximo mês de abril, na Ilha da Madeira, Portugal. Ali se reunirão lideranças nacionais da Espanha, Portugal, Brasil, México, Argentina, Bolívia, Venezuela e de outros países hispano-americanos onde as ciências da comunicação conquistaram legitimidade nacional.

Cogita-se potencializar a presença ibero-americana na comunidade internacional da área, através do fortalecimento de uma rede mega-regional, destinada a cimentar os avanços investigativos em nosso espaço geopolítico, preservando e robustecendo nossa identidade cultural. Desta maneira, poderemos neutralizar a tendência vigente que mantém nossos países na órbita dos importadores de know how, quando muitas vezes dispomos de saber mestiço mais apropriado para nossas próprias realidades.

Superar o “complexo do colonizado” que nos atrela à legião dos deslumbrados com os modismos do “primeiro mundo” constitui o maior desafio a ser enfrentado.

O Brasil possui, indiscutivelmente, uma grande comunidade acadêmica no âmbito das ciências da comunicação, mas comporta-se como satélite do pensamento anglófono ou francófono, muitas vezes reciclado nos entrepostos regionais que ainda nos causam fascinação.

É bem verdade que não constituímos um corpo cognitivo homogêneo.  Por isso, cabe às nossas lideranças estabelecer pontes que comuniquem o saber acumulado em cada disciplina – jornalismo, cinema, publicidade, relações públicas, semiótica, cibercultura, folkcomunicação, midiologia, comunicologia etc. – sem deixar de nutrir-se nos conteúdos gerados pelas humanidades e sem negligenciar ações estribadas nas tecnologias de ponta.

Este é o chamamento que a diretoria da SOCICOM fez aos participantes do referido seminário, consciente de que muito temos a fazer para ultrapassar o paroquialismo, logrando a unidade necessária para legitimar a comunicação como grande área do conhecimento.

Powered by ScribeFire.

SBPJor reformula sítio web e cria portal de pesquisa em Jornalismo

A diretoria da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, SBPJor lançou nesta quarta-feira, 11 de março, o novo portal da entidade com o objetivo de oferecer um portal de pesquisa em Jornalismo. O portal traz, na primeira página, as últimas notícias da entidade, além de uma opção, no menu superior, denominada Sala de Pesquisa, onde podem ser encontrados os trabalhos apresentados nas seis edições do Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo.

O portal da SBPJor disponibiliza também uma seção dedicada a bibliografia da pesquisa em jornalismo, acesso à Brazilian Journalism Research, ao Prêmio Adelmo Genro Filho e ainda aos Encontros da associação.

Segundo a diretora editorial, Tattiana Teixeira, “a ideia é transformar o sítio web em um portal de pesquisa em Jornalismo e, para isto, a contribuição dos associados é fundamental”.

Powered by ScribeFire.

Revista científica internacional dedica edição temática ao Brasil

CoverPor José Marques de Melo

Consagrada pela comunidade acadêmica como a revista científica de maior impacto internacional na área, Journalism: theory, practice and criticism, publicada pela renomada editora Sage, está lançando o número 1 do seu volume 10 (fevereiro de 2009), focalizando exclusivamente o Jornalismo Brasileiro.

Sua edição impressa circula simultaneamente na Inglaterra, Estados Unidos, Índia e Singapura, mas o acesso da edição eletrônica é mundial, através do portal http://jou.sagepub.com – tendo como editores os renomados professores Michael Bromley, Howard Tumber e Barbie Zelizer.

O volume especial dedicado ao Brasil foi co-editado por dois pesquisadores brasileiros: José Marques de Melo e Sonia Virginia Moreira, autores do ensaio introdutório “Jornalismo Brasileiro: o estado da pesquisa, do ensino e da profissão”.

O corpo da edição è constituído por 6 artigos científicos assinados por Beatriz Becker e Celeste González de Bustamante (UFRJ) – passado e futuro do telejornalismo -; Cida Golin e Everton  Cardoso (UFRGS) – jornalismo cultural -; Francisco Karam (UFSC) – jornalismo em tempo de segmentação -; Heci Regina Candiani (PUCSP) – jornalistas e intelectuais -; José Marques de Melo (UMESP) – pensamento jornalístico -; Sonia V. Moreira e Carla Helal (UERJ) – ensino e profissão.

Os co-editores brasileiros celebram o retorno do Brasil à agenda da comunidade acadêmica internacional, lembrando que isso reflete o interesse que o nosso país desperta nos estudiosos dessa disciplina, justamente pela sua originalidade, criatividade e ousadia.

Powered by ScribeFire.

Alfredo Vizeu realizará conferência de abertura do 12º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo

O professor da Universidade Federal de Pernambuco e membro da Comissão do Ministério da Educação que fará a revisão das diretrizes curriculares dos cursos de Jornalismo, Dr. Alfredo Vizeu será o conferencista da solenidade de abertura do 12º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo, que acontece em Belo Horizonte (MG), entre os dias 17 e 19 de abril, que terá como tema “O ensino de jornalismo no Brasil e as diretrizes curriculares: ida e vindas de um processo de consolidação do jornalismo como campo acadêmico“.

O Encontro terá ainda outros espaços para o debate sobre a reformulação das diretrizes curriculares de Jornalismo, como o 3º Encontro Nacional de Coordenadores de Curso de Jornalismo, na manhã do dia 17. A diretoria executiva do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo (FNPJ) estuda a viabilidade de inserir na programação um momento de diálogo dos membros da Comissão do MEC com os professores de jornalismo presentes, com a possibilidade de transmissão “ao vivo” da fala do presidente da Comissão, professor Dr. José Marques de Melo diretamente de Funchal, na Ilha da Madeira, onde estará em evento de comunicação.

Powered by ScribeFire.

Inscrições de trabalhos para o 12º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo encerram no dia 28

12º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo

As inscrições de trabalhos para o 12º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo (ENPJ) encerram no próximo dia 28 de fevereiro, sábado. O evento acontece em Belo Horizonte, entre os dias 17 e 19 de abril e tem como tema “O ensino de jornalismo nas universidades: impactos na prática profissional e conquistas para a sociedade“.

A diretoria do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo (FNPJ) promoveu algumas mudanças no evento que, a partir deste ano, se tornou um evento múltiplo. Na programação do 12º ENPJ acontecem também o 3º ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES DE CURSO DE JORNALISMO, o 5º COLÓQUIO ANDI, o PRÉ-FÓRUM DA FENAJ, o VIII CICLO NACIONAL DE PESQUISA EM JORNALISMO em que serão apresentados os trabalhos de pesquisa, ensino e extensão desenvolvidos pelos professores, pesquisadores e profissionais de jornalismo e ainda o II COLÓQUIO IBERO-AMERICANO DE ENSINO DE JORNALISMO, que reunirá pesquisadores e professores de Portugal, João Canavilhas; da Colômbia, Carlos Agudelo; da Argentina, Miguel Wiñaczki e do Brasil o professor Sérgio Gadini (UEPG).


Uma outra novidade para o Encontro deste ano foi a participação da Comissão Organizadora Local na rede social Twitter. A professor Sandra Freitas, coordenadora, criou um perfil no Twitter para divulgar as atividades do evento. Para quem quiser seguir o twitter, basta buscar por @12enpj, ou simplesmente 12enpj na rede Twitter.

O 12º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo será realizado em três instituições de ensino de Belo Horizonte, todas localizadas na área central, Centro Universitário UNA, Faculdade Pitágoras e Uni-BH.

Powered by ScribeFire.

MEC constitui Comissão para elaborar novas Diretrizes para os Cursos de Jornalismo

O Ministério da Educação publicou nesta sexta-feira, 13, Portaria da Secretaria de Educação Superior que constitui Comissão de Especialista em Jornalismo para revisar e elaborar as novas Diretrizes Curriculares de Jornalismo. A Comissão, presidida pelo professor Dr. José Marques de Melo, tem o prazo de 180 dias para concluir os trabalhos e submeter o documento das Diretrizes para o Conselho Nacional de Educação.

Fazem parte da Comissão os professores Alfredo Vizeu (UFPE), indicado pelo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo (FNPJ); Eduardo Meditsch (UFSC), indicado pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj); Luiz Motta (UnB), indicado pela Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor); Manuel Carlos Chaparro (USP); Sonia Virginia Moreira (UERJ), indicada pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom); Sérgio Mattos (UFBA) e Lúcia Maria Araújo.

Segundo a secretária de Educação Superior, Maria Paula Dallari Bucci, as diretrizes atuais abrangem toda a área de comunicação social e são pouco específicas para a formação em jornalismo, destacou que “a intenção é garantir um melhor processo formativo para o profissional do jornalismo, já que a diversidade e as peculiaridades da profissão não são hoje contempladas pelas atuais diretrizes”.

A constituição dessa Comissão, aliado aos trabalhos da Comissão de Estudos das Diretrizes Curriculares de Jornalismo organizada pelo FNPJ, Fenaj e SBPJor se constitui num momento importante para a qualificação do Jornalismo, por meio da formação universitária. Há muitos anos se reivindica uma atualização e uma especificidade das diretrizes que possam auxiliar no processo de autorização, reconhecimento e revalidação dos cursos. As diretrizes atuais, por serem genéricas, prejudicam o processo de avaliação e não controlam a qualidade da formação. A Comissão constituida pela entidades do campo do jornalismo é formada pelos professores Sérgio Gadini (UEPG), Tattiana Teixeira (UFSC), Valci Zuculoto (Fenaj), Gerson Luiz Martins (FNPJ), Paulo Roberto Botão (FNPJ) e Leonel Aguiar (FNPJ).

Departamento de Jornalismo discute Projeto “Quality Comunication” com pesquisadores espanhóis

O Conselho do Departamento de Jornalismo realizou, na última segunda-feira, 9, uma reunião com os professores visitantes da Universidade Autonôma de Barcelona, Angel Bravo e Norminanda Vilar para discutir a implantação do Projeto “Quality Communication”. O professor Angel Bravo explicou o teor e a proposta do projeto e sua importância para o desenvolvimento dos processos de produção da comunicação. O trabalho faz parte das atividades do Laboratório de Análise Instrumental da Comunicação da UAB e tem como objetivo ampliar o processo para aferir a qualidade dos produtos da mídia e estabelecer, para isso, um protocolo de qualidade que possa ser usado como parâmetro para o controle da qualidade.

Segundo o professor Angel Bravo, as escolhas das pessoas acontecem a partir da qualidade dos produtos, ou seja, a sociedade opta pelos produtos que possuem sêlo de qualidade ou tem aprovação dos controles de qualidade estatais. O projeto, no primeiro momento, objetiva estabelecer um protocolo de qualidade que possa ser utilizado em diferentes países, em diferentes culturas.

Destacou ainda Angel Bravo que a escolha pela UFMS para implementar o projeto no Brasil decorre da participação da professora Ruth Viana nos trabalhos do Laboratório, quando esteve no estágio pós-doutoral na UAB.

Os professores presentes na reunião também apresentaram os projetos e grupos de pesquisa que desenvolvem e discutiram as formas que esse trabalho pode ser incluído na proposta dos pesquisadores espanhóis.

Foi marcada nova reunião para o próxima dia 19 com objetivo de organizar a participação do Departamento de Jornalismo nos encaminhamentos do projeto “Quality Communication” e acertar a integração dos projetos de pesquisa.